Certo ou errado eu quero ter você [. . .]
“E eu te deixo ir, porque tentar te fazer ficar doeria bem mais. E saber que em meio a tantos motivos você não foi capaz de se segurar em sequer um pra não precisar ir, me faz não ter o direito de te impor ou cobrar nada. Mas eu quero, quero gritar que você não pode, não deve e não vai embora assim. Olhar a melhor coisa do mundo deixando de ser o meu mundo não é lá a melhor sensação que se pode ter.”
~ Capitule.     (via convalescida)

“Sinto-me cansada por dar um dobro e não receber um terço. Sinto-me exausta por correr tanto atrás e você não dar um passo até mim. Sinto-me confusa por você mudar tanto de personalidade, e tão rápido. Sinto-me enganada por me fazer juras de amor, onde não existe sentimento. Sinto-me infeliz por não ter você aqui, nesse momento. E pelo jeito, vai continuar assim. Até que descubra que não vive sem mim.”
~ Mas está faltando amor.   (via convalescida)

“Depois de um tempo, você ainda vai lembrar dessa ferida que rasgou fundo o teu peito. Mas vai saber também, que foi apenas uma página do capítulo passado. E que o capítulo que você está agora. Ah, esse sim é o mais interessante.”
~ Caio Fernando Abreu    (via relevou)

“E eu achava que tinha esquecido tudo (tudo!). Seu beijo. Seu olhar. Seu rosto. Seu sorriso. Seu gosto. Sua mania de dizer que estou errada. Sua pinta atrás da orelha direita. Sua vontade de me fazer rir a cada vez que eu fingia que estava brava. Sim, eu fingia. Sempre foi impossível ficar brava com você. Mas eu inventava fúrias e brigas bobas para dar mais emoção. Emoção ao quê?, hoje me pergunto. Nós já vivíamos tudo aquilo que pode ser mais emocionante em uma relação a dois. O que mais eu queria?, fico pensando. Não sei, queria e quero sempre tudo. E por erros bobos ou por estar completamente distraída deixo a realidade bonita e pura escapar entre meus dedos como fumaça. E fico aqui. Sem seu beijo. Sem seu olhar. Sem seu rosto. Sem seu sorriso. Sem seu gosto. Sem sua mania de dizer que estou errada. Sim, eu estava, estive, estou. Mas agora já é tarde. Me perdoa.”
~ Clarissa Corrêa  (via com-versos)